Tête-à-tête com a Tati

Um eclipse em mim!

A pouco o sol e a lua se alinharam, e me pus a buscar alinhar meu pensar com meu sentir! Aliás, isso, venho buscado com frequência diária e insana nos últimos tempos, especialmente nos últimos meses…

Quando a gente escolhe se relacionar, assumimos, conscientemente ou não, a incerteza, que contraditoriamente é a única certeza dessa vida!

E na minha ingênua inocência acreditei que poderia controlar minhas relações e o meu sentir, e por vezes isso até foi parcialmente verdade até que anos atrás me vi congelada!

Relutei anos a fio para me permitir descongelar, aliás acho que ainda estou em processo de descongelamento!

Pasma, me dei conta de que congelar-se está virando epidemia!

Penso que essa epidemia se dá porque a ordem está invertida! E um dos ensinamentos que aprendi com o mestre Bert Hellinger, é que tudo tem ordem, e que a hierarquia se não respeitada, instaura caos!

E nós invertemos tudo! Queremos primeiro descobrir nosso propósito (tendo propósito como sinônimo de profissão), depois queremos relacionamentos (amizades e especialmente afetivos sexuais), e por fim, se der e quando der, ou se um dia Deus der bom tempo, olhamos pra nós mesmos! Resultado caos absoluto!

O mestre está certo!

A parte mais consciente da indústria do propósito até nos fala para olharmos pra dento, buscar autoconhecimento, que é o início da ordem, porém na prática, isso pouco se vê!

Os corajosos de plantão que atrevidamente buscam de verdade ordenar-se, sofrem! Eu que o diga!

Nos eclipses há harmonia entre o sol e a lua, e há harmonia entre luz e sombra no Universo, porém nossa mente dual ainda classifica como ruim nossas sombras, porque nos julgamos espertos demais e categorizamos absolutamente tudo como bom ou mau!

Meu descongelamento está acontecendo à medida que me atiro corajosamente pra dentro de mim! À medida que encaro minhas sombras e não mais as julgo más, à medida que opto apenas por vê-las, acolhe-las, senti-las, compreendê-las e só então liberá-las.

Acontece que o sentir dor no seu processo individual liberta, e sofrer mantendo-se congelado aprisiona, adoece, mata (vejo inúmeros mortos-vivos congelados por aí)!

Depois de passar alguns relacionamentos na ilusão do controle, quando resolvi assumir o descontrole, o soltar, o ser vulnerável, adivinhem? Desandou!

Desandou do ponto de vista dos congelados! Pois pra mim, libertou! Quantas coisas aprendi sobre mim, sobre minha criança, quantas coisas minhas sombras me ensinaram, quanto minhas sombras estimularam minha luz a emitir calor, calor que meu coração pulsante emanou, e quanto esse calor me descongelou!

Sigo então aberta, liberta, feliz, com o coração quente e mente… ah a mente! Ela busca se alinhar com o coração, com esse meu coração que redescobriu que vale a pena se jogar na deliciosa incerteza que é viver bem! Espero que eles se alinhem assim como o sol e a lua hoje!

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *